quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Agressividade ou surtos

No inicio da doença a agressividade se faz presente em muitos casos.

Esta demencia faz com que os traços de personalidade se acentuem, exemplificando: quem era calmo e tranquilo, assim permanecerá e até mais meigo, mas quem era mandão, prepotente, ah estes sim, vão querer impor mais ainda a sua vontade, e em alguns casos este impor significa até agressões fisicas.

Nesta necessidade deles de se comunicarem ou impor suas vontades, os surtos podem ocorrer, pois como estão dementes, nem sempre é possivel atender ao pedidos, por serem absurdos, ou por não ser possivel mesmo. O cuidador, neste momento, se não tiver experiencia, entrará em conflito direto, ou tentando explicar o motivo de não atender, ou mostrando insegurança e medo com a atitude agressiva.

Sempre dizemos que o DA testa sempre o seu cuidador, e normalmente é aquela pessoa que elegem como "porto seguro", por isso testam, para ver se eles ainda estão aptos a dar a segurança necessária, não tento esta resposta segura eles surtam e tudo se transforma num vai e vem de medos e dicussões.

Então o DA precisa de SEGURANÇA, CONFIANÇA e AMOR !

Voces devem estar lendo e pensando: Ah fácil falar!

Eu já passei por isto, minha mãe sempre foi uma pessoa muito forte, tanto em personalidade como fisicamente tambem, tudo tinha que ser a seu jeito, podia até conversar e ouvir alguma argumentação, mas depois fazia do seu jeito.

Gritei muito com ela para entrar debaixo do chuveiro porque não queria tomar banho, os vizinhos todos sabiam quando isto acontecia, e era todo dia. E claro ela gritava junto dizendo que eu a estava machucando, mas as vezes nem havia encostado nela, pura cena. Mas se eu voltasse atras e não desse o banho, ela tomaria conta da situação.

Apanhei muito quando ela se via contrariada, e ela ainda contava aos outros que eu é que batia, imagine as broncas e recriminações que levei por conta disto. Alguem já apanhou com uma peça de roupa molhada? Dói e muito e a levei no rosto, por conta de ela já estar tirando a roupa molhada do varal pela enézima vez.

Depois de acontecer isto muitas vezes aprendemos a lidar, então por exemplo:

- o banho: se for mulher procurem levar para o lado da vaidade, um perfume novo, uma roupa nova, ficar cheirosa para um passeio,.... se for homem, o problema maior é ficarem nus na frente de mulher, filha ou esposa, as vezes é melhor um homem  para fazer esta função, mas se não tiver jeito, diga que nem estão olhando, tampem os olhos por algum tempo e vamos indo... O importante sempre é não dar chance a questionamentos que interrompam a ação.

- voltar para casa: lembrem-se eles estão perdendo a memória, e sempre começa pela recente, então num determinado momento não mais reconhecerão o lugar onde estão, porque não estão vivendo este momento, então saiam com eles, deem uma volta no quarteirão e entrem em casa novamente, lembrem como esta agora é mais bonita e melhor, ou então justifiquem que a casa dela está em reforma, e que há de ter paciencia por um periodo. Já vi caso que a pessoa mostrou a escritura com o nome e então o DA parou com o problema.

E tantas outras situações, mas o mais importante é não discutir, e se mostrar sempre firme, mudar o assunto, ou até concordar. Lembro de vezes que minha mãe me xingava e eu concordava com ela, até reforçava os xingamentos, como se eu "a xingada" fosse outra pessoa, e no fim acabavamos rindo daquela maluca.

Alguns acham que não devemos mentir ou usar destas artimanhas para resolver, mas se formos ficar tristes e chorar cada vez que isto acontecer, o surto vai acontecer, todos irão se aborrecer e o DA depois vai sair como se nada tivesse acontecido (claro ele esquece, lembram-se que a memória recente se perde) e nós ficamos com a mágoa.

Os surtos tambem podem acontecer quando eles tentam lembrar de alguma coisa, ou até mesmo completar uma frase ou pensamento. Pois não tem coignição. Isto pode ser um pouco parecido quando tentamos nos lembrar de um nome no meio de uma frase, é horrivel para nós, imagine para eles que as vezes ainda tem alguma lucidez e sabem que não vão conseguir. E quantas vezes tentamos completar a frase ou o pensamento que estão falando, e eles nos olham dizendo que não é aquilo, que sempre fazemos isto, então não façam mesmo, e se verem que vão se alterar por conta disto mudem o assunto, mostrem algo naquele instante que mude o pensamento.

Então perceberam que é preciso "jogo de cintura" para lidar.

A geriatra que diagnosticou minha mãe com DA me disse certa vez: Eles são como crianças levadas, mas não adianta querer educar, elas não vão aprender mais. Levei esta frase por muito tempo com,igo, isto me ajudou e muito a aceitar as rusgas, as brigas e o que por muitas vezes aparenta ser provocação.

10 comentários:

  1. Oi, Molly

    Gostei do seu blog e li quase tudo, se não tudo.
    Estou passando por isso.
    Meu pai está meio mal, creio que está entrando na fase intermediária, pelo menos é o que parece.
    Estamos tentando acertar a medicação, pois os surtos estão cada vez mais frequentes e o estilo dele é agressivo, então já viu ... dureza de lidar.
    Será que é possível evitar os surtos com medicação? Tenho esta dúvida :)
    T+

    ResponderExcluir
  2. oi, meu pai está super agressivo na hora do banho. Para banha-lo precisamos estar em 3 ou 4 pessoas, para segurá-lo. Estou toda arranhada por causa de suas unhas nos meus braços. não é fácil!!!

    ResponderExcluir
  3. Que blog maravilhoso e, de certa forma, confortante para quem está enfrentando essa situação.

    ResponderExcluir
  4. minha sogra esta agressiva,olha com cara feia,nao gosta que limpe a casa dela,ela nao sabe mais cozinhar mas,nao aceita que ninguem cozinhe por ela e na familia ninguem mais quer ajudar, so meu marido,e esta sendo dificil,ele ja esta ficando esgotado

    ResponderExcluir
  5. Boa tarde!preciso da ajuda de voces, minha mae tem alzheimer a mais ou menos 07 anos e agora esta a um mes surtada quer voltar para uma casa onde viveu a 45 anos nemhuma medicação consegue ajudar,basta acordar para começar atentar sair de casa estamos vivendo confinados.Tentamos ajuda-la com medicação,atençao e todo jeitinho para convence-la a se acalmar, ela esta emagrecendo uma vez que anda o dia todo de uma porta a outra e nos agride com palavras uma vez que não deixamos ela ir, por favor me ajudem quem puder me passar alguma experiencia eu agradeço.

    ResponderExcluir
  6. eu tenho uma mãe que ja não gostava de mim com a doença ela agora me agridi, falando palavras que sempre me disse ela me xinga de maldita, desgraçaa diabo e por ai vai, ja tentou me matar com uma faca, ja tentou jogar oleo quente em mim, pega cabo de vassoura e se eu não seguro....o pior que não sei da onde vem a força dela, moro com minha mãe com a doença com 75 anos meu pai lucido com 83 anos eu e minha filha de 5 anos que vive vendo essa agressões.ela veio para cima de mim com a menina doente no meu colo. meu pai quer me ajudar a sair de casa, não da mais.

    ResponderExcluir
  7. Sou cuidadora de uma Sa.de 79 anos, ontem conversando sobre um de seus filhos, do nada, ela surtou, quase me bateu, fiquei em choque não sabia o que fazer comecei a chorar desesperadamente, e ela começou a me olhar e pedir desculpas não sei se vou ter condição de continuar, ela diz que todos são ladrões, escondi tudo e esquece onde colocou, que doença horrível me ajuda gosto muito dela.

    ResponderExcluir
  8. Meu pai sofre dessa terrível doença, e está na fase de que não pode ser contrariado, ou não pode tocar nele, fica agressivo do nada, e parte para agressão física.
    Minha mãe é quem cuida dele, ela é baixinha e fraca fisicamente, já ele, é baixinho 'troncudo' e forte, bem forte.
    Na hora do banho, da troca de roupa, das refeições e até mesmo na hora de dormir, ele fica super agressivo, ele está tomando os medicamentos que foi receitado pelo especialista, porém, acreditamos que o médico deverá 'aumentar a dose', porque, na hora que ele surta, ninguém segura, estou vendo minha mãe 'se acabar' aos poucos devido ao grande desgaste.
    Alguém sabe, qual o tempo dessa agressividade, se é dias, meses ou anos?
    Ele foi diagnosticado com essa doença, ele tinha +- 56, 57 anos, hj ele está com 63 anos, está bem debilitado fisicamente (porém continua com a mão pesada para bater)....
    Meu pai sempre foi uma pessoa aparentemente calma, nunca extrapolou quando estava nervoso, nunca ouvi na minha vida ele falar um palavrão, agora.... além de ser muito agressivo, ele xinga tudo e todos dos mais variados palavrões.
    O estranho é que, ele não sabe mais conversar, não consegue formar uma frase, as vezes nem uma palavra, mas para xingar... falar em alto e bom som, acho isso estranho....
    Bom, teremos consulta no especialista por esses dias, o problema será colocá-lo no carro e tirá-lo do carro, pq ele faz todas as posições possíveis, menos entrar no carro, e, se ajudamos, ai ele fica muito nervoso.
    Dá a entender que ele sabe como fazer, e não precisa de ajuda.
    Estamos passando por um momento muito difícil, não sabemos como acalmá-lo.

    ResponderExcluir
  9. Boa tarde! Minha mãe tem Alzheimer a mais ou menos 5 meses. Ela está na face leve oscilando para intermediária. A primeira vez que ela teve um surto estava encomodada com uma pessoa e com um lapso de lucidez lembrou de coisas e ficou muito nervosa, ela chorava, gritava e meu irmão abraçava ela mas ela chorava muito mais e dizia que ele estava a machucando também ele gritava muito com ela. Outra vez aconteceu porque ela cortou a calça e ele a pediu para vestir o pijama mas ela recusou várias vezes, até que ele teve que ficar bravo, ela se jogou no chão chorando e ele mais uma vez deitou segurando ela forçando ela não se levantar, conseguiu leva lá para cama e mesmo assim ela chorando muito ele continuou a segura lá abraçando a com força e berrando com ela. Enfim, gostaria de saber como se deve agir numa situação que ela surta? Se é mesmo necessário segurar muito firme e berrar?

    ResponderExcluir

Seguidores